Musica

ICONIC BOWIE

David Fonseca e Marta Ren

Cantam Bowie no ArrábidaShopping - entrada livre

É já esta quinta-feira, dia 25 de Outubro, às 21h00, e ainda no âmbito da programação paralela da exposição Iconic Bowie, que David Fonseca e Marta Ren sobem ao palco na Praça Central do ArrábidaShopping, em Vila de Nova de Gaia, para cantarem Bowie, numa actuação musical de acesso livre.
Composta por 40 fotografias, a Iconic Bowie by Terry O'Neill, Markus Klinko, Norman Parkinson, Justin de Villeneuve, Gerald Fearnly e Milton H. Greene – com fotografias de David Bowie, numa parceria com a conceituada agência de gestão de arquivos fotográficos, Iconic Images – conta com David Fonseca, músico e fotógrafo, na co-curadoria, partilhada com Cristina Carrillo de Albornoz, crítica de arte, autora de livros e curadora que trabalha com a Iconic Images, museus e galerias de todo o mundo e ainda pode ser visitada até dia 4 de Novembro, na Praça Central do ArrábidaShopping.

Segundo Paulo Valentim, director do ArrábidaShopping, “no ano em que David Bowie celebraria 71 anos, reunimos, nesta exposição, algumas das suas fotografias, emblemáticas e algumas inéditas em Portugal, numa iniciativa que julgamos ser uma justa homenagem a David Bowie. Concilia, para além da fotografia, música e cinema, através da programação completa que terá lugar, no ArrábidaShopping, durante os dois meses de exposição, e que serão, certamente do agrado de diversos públicos”

BOWIE: 40 ANOS EM 40 FOTOGRAFIAS
Com fotografias da autoria de Terry O'Neill, Markus Klinko, Norman Parkinson, Justin de Villeneuve, Milton H. Greene e Gerald Fearnley, a exposição percorre mais de 40 anos de carreira e vida de David Bowie, desde o retrato do jovem artista de Gerald Fearnley para o seu álbum de estreia, passando pelos anos de Thin White Duke, Ziggy Stardust e Diamond Dogs com Terry O'Neill, até ao seu vigésimo segundo álbum de estúdio com o registo fotográfico de Markus Klinko em Nova Iorque, em 2002. “A exposição não é apenas uma extraordinária homenagem ao músico considerado um dos génios da história da música do século XX, mas retrata de forma pungente e através do trabalho de seis fotógrafos de topo a essência da sua vida e carreira musical. Uma jornada de experimentação incessante e incrível versatilidade, a interminável reinvenção de Bowie e a sua quebra de fronteiras entre os estilos musicais”, refere a curadora Cristina Carrillo de Albornoz.
Com carreiras bastante importantes, os fotógrafos Terry O'Neill, Markus Klinko, Norman Parkinson, Justin de Villeneuve, Milton H. Greene e Gerald Fearnly são autores de fotografias que se tornaram verdadeiras lendas da iconografia ligada ao cinema, à moda e à música.
Norman Parkinson foi o fotógrafo de moda mais célebre do séc. XX e pioneiro em criar uma narrativa fotógrafica, ao contrário da rigidez e formalidade dos seus antecessores. As suas fotografias criaram a era das supermodelos e fizeram dele o preferido de celebridades, artistas, presidentes, primeiros-ministros, bem como da família real britânica, em público e privado. É o caso de Audrey Hepburn, The Beatles, Twiggy, Grace Coddington, David Bowie, Iman, Jerry Hall e muitos outros, ao longo de uma carreira que durou 70 anos, até ao seu desaparecimento, em 1990.
Terry O'Neill é um dos fotógrafos mais coleccionados do mundo, com trabalhos em galerias de arte e colecções privadas em todo o mundo. Durante mais de 60 anos fotografou inúmeras celebridades da música, cinema, moda e personalidades políticas, desde Winston Churchil a Nelson Mandela, de Frank Sintra e Elvis Presley a Rolling Stones a David Bowie e Amy Winhouse ou de Audrey Hepburn e Brigitte Bardot a Nicole Kidman, passando por todos os actores que interpretaram o papel de James Bond (007), entre outros. As suas fotos estão em inúmeras capas de álbuns históricos do rock, capas de revistas ou posters de filmes.
Markus Klinko é um fotógrafo premiado que teve como alvos da sua objectiva personalidades como Beyoncé, Lady Gaga, Kanye West, Naomi Campbell, Iman e David Bowie, entre muitos outros. É colaborador de publicações como New York Times, Vanity Fair, Harper's Bazaar, Interview, Vogue e GQ, entre outras. Antes da fotografia, iniciou uma carreira ligada à música clássica, como solista de harpa. Estudou em Paris, no Conservatoire National Supérieur de Musique e teve um contrato com a EMI Classics.
Justin de Villeneuve é um fotógrafo, produtor e empresário que influenciou a moda e a cultura nos anos 60 do Swinging. Como fotógrafo, Justin fotografou muitos ícones dos anos 60 e 70, incluindo o retrato clássico de David Bowie com Twiggy para o álbum Pin-Ups.
Milton H. Greene deixou a sua marca como um dos fotógrafos mais celebrados do mundo. O seu trabalho nos anos cinquenta e sessenta apareceu em revistas como a Life, Look, Harper's Bazaar, Town & Country e Vogue. O trabalho mais notável de Greene é com Marilyn Monroe. Conheceram-se em 1953 e, no fim da sua relação de trabalho de quatro anos, ficou a notável colecção de 50 sessões diferentes, produzindo mais de 3 mil fotografias únicas.
Gerald Fearnley conheceu David Bowie através do seu irmão, que era baixista da banda de apoio de Bowie. É autor das fotografias do álbum de estreia do músico (lançado em 1969) e nesta exposição apresenta raras fotos de David Bowie quando tinha 20 anos e que foram conhecidas apenas recentemente.

A Iconic Images, uma das maiores agências de gestão de arquivos fotográficos no mundo, trabalha com Cristina Carrillo de Albornoz e com David Fonseca nesta exposição. A Iconic Images trabalha com mais de vinte fotógrafos em todo o mundo, em todos os aspectos, incluindo vendas de arte, exposições em museus, licenciamento, publicação, merchandising e colaborações de design de interiores. Pode descobrir mais sobre a Iconic Images através do site www.iconicimages.net.

Segundo David Fonseca, “David Bowie foi muito mais do que um músico, actor, performer ou artista plástico. Havia nele uma conjugação de inúmeras vontades que se misturavam nas diversas áreas artísticas por onde deambulava e que transformavam cada gesto em algo maior. É difícil capturar a sua essência sem olhar para a plenitude da sua vida artística, tão variada nas suas manifestações musicais e visuais. Numa era em que tudo parece formatado, David Bowie era (e talvez será sempre) difícil de catalogar, tal era a variedade de direcções diferentes que a sua carreira aponta. Como músico e fotógrafo, é impossível não ficar impressionado com a forma como conjugou estas duas áreas num tempo em que tudo estava para descobrir. O seu legado é um dos mais importantes da história da música popular, mantendo-se incólume à passagem do tempo. Que o lembremos sempre para que possamos aprender mais sobre o seu génio e criatividade”.
Esta mostra apresenta fotografias do acervo da Iconic Images de David Bowie e é apresentada pela primeira vez em Portugal.


Autor: inside
Data: 25/10/18


COMENTÁRIOS