Desporto

Prozis Surf Pro Espinho

Bascos e Ariane vencem em Espinho

Bascos Natxo Gonzalez e Ariane Ochoa vencem em Espinho

Espinho, 28 Junho 2015
Com boas ondas de 1m, sol e muito público na praia, o Prozis Surf Pro Espinho 2015 consagrou hoje os seus campeões. Os surfistas do País Basco espanhol Natxo Gonzalez e Ariane Ochoa conquistaram a segunda etapa europeia do circuito mundial de surf Pro Junior, apresentando a consistência que levou ambos a alcançar as finais.

Na prova masculina, Natxo começou por eliminar nas meias-finais o último surfista português em prova, Guilherme Fonseca, deixando o surfista de Peniche num honroso 3º lugar, a par do inglês Jobe Harriss, que protagonizou um duelo muito renhido com o francês Charly Quivront na segunda bateria desta fase, decidido apenas nos últimos 15 segundos do heat.

“Hoje o mar desceu ligeiramente e as pausas entre as melhores ondas eram maiores. Estive um pouco fora de sintonia e isso custou-me o heat, pois o Natxo esteve mais atento e começou melhor. Andei sempre atrás de ondas que não apareceram, mas este não deixa de ser o melhor resultado da minha carreira num Pro Junior europeu e um enorme incentivo para o resto da temporada. Agora tenho a certeza que o meu surf está ao nível dos melhores europeus e vou tentar dar-me novamente bem nas próximas etapas, de forma a cumprir o meu objectivo para este ano – qualificar-me para o mundial de juniores”, afirmou Guilherme Fonseca, que ainda subiu ao 7º lugar do ranking europeu.
Na final, que começou algo lenta, só a meio da bateria vimos os dois surfistas fazerem as suas melhores ondas. Apesar de Charly Quivront ter conseguido a melhor nota do heat (7,5 pontos em 10 possíveis), só fez 5 pontos na sua segunda melhor onda, não conseguindo por isso bater Natxo Gonzalez, sempre muito consistente, que com duas ondas na casa dos 6 pontos acabou mesmo por levar a melhor sobre o francês e sagrar-se campeão do Prozis Surf Pro Espinho 2015.

“A verdade é que senti alguma pressão nesta prova, por isso decidi vir para Espinho mais cedo, para treinar. Adoro as ondas daqui, mas também sei que o nível do surf europeu está elevadíssimo, por isso estou tão contente com esta vitória!... no ano passado fui segundo classificado nesta etapa, este ano fui segundo na primeira prova, na Caparica, mas agora, com esta vitória, passei para a liderança do ranking europeu e vou tentar defendê-la na próxima etapa, que vai ser na minha praia, em Sopelana. Estou mesmo muito feliz!”, confessou o surfista de 19 anos, que agora lidera a corrida ao título europeu, com Charly Quivront em segundo lugar e o português Miguel Blanco na terceira posição do ranking.
Na prova feminina as meias-finais começaram com um duelo entre duas surfistas bascas, com a vitória a sorrir à mais experiente, Ariane Ochoa, que assim deixou Maddi Aizpurua num excelente 3º lugar final, o melhor resultado da jovem carreira da surfista de apenas 14 anos.
Na segunda meia-final, entre a portuguesa Carol Henrique e a basca Leticia Canales Bilbao, assistiu-se a uma das melhores baterias do campeonato, com a basca a fazer uma onda muito forte, de 8,5 pontos, mas a portuguesa a responder à altura, com uma onda de 9,27 pontos (a melhor de toda a prova feminina), para conquistar uma pontuação total de 15,44 pontos (também a maior da prova feminina) e a passagem à primeira final da sua carreira, deixando igualmente Leticia em 3º lugar.
Na final, Carol acabou por acusar a pressão e não conseguiu ir além dos 8 pontos, ao passo que Ariane, muito paciente, esperou pelas melhores ondas e conseguiu um score final de 14,50 pontos, vencendo a etapa e deixando o segundo lugar para a portuguesa.
Ariane subiu 15 posições, encontrando-se agora no segundo lugar do ranking europeu, logo atrás da portuguesa Teresa Bonvalot, que lidera, mas à frente de Carol Henrique e Keshia Eyre, empatadas na terceira posição.
“Estou muito feliz, pois esta é a primeira vitória da minha carreira no Pro Junior e a primeira etapa tinha-me corrido mal! Foi um enorme salto na confiança que vou levar para o resto do circuito e não queria deixar de dar os parabéns à organização, pela igualdade de prize-money entre homens e mulheres, bem como agradecer a Espinho, pelas belíssimas ondas que nos proporcionou,” comentou Ariane.
Por seu lado, Carol assumiu ter sentido que “a meia-final foi uma verdadeira final antecipada, que exigiu muita concentração. Ao vencer essa bateria quase senti que tinha ganho o campeonato e depois acabei por me desconcentrar na final... mas estou muito satisfeita com o 2º lugar e a primeira final que fiz no Pro Junior europeu. Agora é continuar a trabalhar para fazer ainda melhor nas próximas etapas”.
Com a conclusão do Prozis Surf Pro Espinho, encerra também o Espinho Surf Destination 2015, que trouxe à cidade de Espinho o melhor surf e bodyboard do país e da Europa.
Gonçalo Pina, organizador destes eventos, foi peremptório ao afirmar que “o sucesso deste conceito é evidente na quantidade de atletas inscritos que tivemos no campeonato, de 17 nacionalidades diferentes, o que torna Espinho num verdadeiro destino de surf. Todos saíram daqui contentes e mostrámos ao mundo que as melhores ondas do Norte estão de facto em Espinho! Não queria deixar de agradecer a todo o staff, que tornou este evento possível, aos patrocinadores e apoios, e ao município de Espinho, que já se comprometeu em ajudar a fazer crescer este evento em 2016... quem sabe se não juntamos uma etapa do mundial de qualificação de séniores ao europeu de juniores!?... Ainda é muito cedo, tudo está em aberto, mas o nosso objectivo é esse.”, concluiu.
O Prozis Surf Pro Espinho 2015 foi uma organização da GPDESIGN Brand Communication e do Surf Atitude Clube, com o patrocínio da Câmara Municipal de Espinho e da PROZIS, o apoio do PraiaGolfe Hotel, Castros, Refer, CP e Caetano Star Mercedes-Benz, tendo como media partners a RTP, SURFPortugal, ONFIRE e Surftotal.




Autor: inside
Data: 29/06/15


COMENTÁRIOS

Visite-nos no FacebookVisite-nos no Twitter

Entrevista

sal entrevista

LISBOA EM QUEIMA


ler mais

Votação

Mediar entendimento
45%
Agir pela força
27%
aplicar mais sanções
9%
outra
19%