Festival Sudoeste TMN 2006

10º Aniversário do maior festival de Verão em Portugal!

 

3, 4, 5 e 6 de Agosto na Zambujeira do Mar

DAFT PUNK

www.daftpunk.com

Após 8 anos de interregno, os Daft Punk decidiram regressar aos palcos!
Seleccionaram os melhores Festivais do Mundo e o 10º Sudoeste tmn foi um deles! Dia 5 de Agosto, no Palco tmn do maior Festival de Verão em Portugal, Daft Punk.

Já confirmados:

Palco tmn

3 de Agosto | Gentleman |Mattafix | Brazilian Girls

4 de Agosto | Prodigy | Goldfrapp | TIGA

5 de Agosto | Daft Punk | Skin | Boss AC

6 de Agosto | Zero 7 | Xutos & Pontapés

Palco Planeta Sudoeste

3 de Agosto | Seu Jorge

4 de Agosto | Nouvelle Vague

5 de Agosto | Los de Abajo | Who Made Who

6 de Agosto | Final Fantasy | José Gonzales | Rui Vargas

Palco Positive Vibes

4 de Agosto | Max Romeo

5 de Agosto | Sir Giant

6 de Agosto | Anthony B | Israel Vibration

Artistas

Gentleman | O músico alemão, actualmente um dos mais populares na cena reggae, centrou todas as atenções em si ao lançar singles como “Intoxication” e “Superior”, êxitos imediatos um pouco por todo o mundo. Apesar de já andar no mundo musical há uns anos, só agora alcançou o reconhecimento merecido, em grande parte graças ao último álbum “Confidence”, uma compilação de vibrações positivas.

Mattafix | Os Mattafix vêm a Portugal apresentar o disco de estreia, intitulado «Signs of Struggle», editado este ano, onde se inclui o grande êxito “Big City Life”. Com diferentes backgrounds, cada um dos membros bebeu os distintos e variados sons que se praticavam na grande
cidade: blues, jass, bangra, punk, reggae, hip-hop, pop, heavy metal, dance e música clássica. O resultado é uma mistura de sons inovadora, com letras fortes e honestas, que permitem aos ouvintes interpretações próprias.

Brazilian Girls | Quarteto nova-iorquino, que combina música electrónica com samba, reggae, jazz e house. Ao contrário do que o nome indica, nenhum dos membros é natural do Brasil, e há apenas um membro feminino
– a vocalista Sabina Sciubba. O álbum de estreia, “Brazilian
Girls”, lançado em 2005, foi alvo de críticas efusivas e os fortes espectáculos ao vivo ajudaram a reunir um grande número de fãs. O single “Pussy”, que tem rodado nas rádios de todo o mundo, promete por o Sudoeste a dançar.

Prodigy | O ano de 1991 marca o lançamento do EP “What Evil Lurks”, dando a conhecer os Prodigy no meio underground. A sua música era então presença certa nas raves e depressa começou a penetrar noutros meios,
atingindo finalmente o Top Ten britânico, com o single “Charly”. Mas foi com o álbum “Music For A Jilted Generation” que exportaram o seu som e sucesso ao resto da Europa. Detentores de uma atitude polémica,
alicerçada na força da música e no impacto dos vídeos, os Prodigy não deixam pedra sobre pedra após cada actuação ao vivo.

Goldfrapp | Goldfrapp é o nome de um projecto de pop sofisticado, formado por Alison Goldfrapp e Will Gregory. À sensual voz, e presença, da cantora britânica alia-se o talento musical de Will Gregory, numa conjugação que resulta num som vanguardista, que vai contra as sonoridades na moda, vincando a particularidade do som sem fronteiras da banda. Um dos mais talentosos duos da actualidade, que fazem dos concertos ao vivo verdadeiros espectáculos.

TIGA | Nascido em Montreal, o DJ e produtor TIGA foi responsável pelas novidades introduzidas na vida nocturna da cidade. Apresentou outros DJ’s convidados, iniciou promoções de rua intensas, com acrobatas e flyers coloridos, que envolviam as multidões. Para além disso, foi o pai de Solstice, a primeira rave genuína, tendo iniciado um ano mais tarde uma rave online. Actualmente é o responsável pelo grande êxito, “Far From Home” que será certamente um dos pontos altos do Festival Sudoeste
tmn

Daft Punk | Os Daft Punk são uma banda única no panorama musical e, após 8 anos de interregno, decidiram regressar aos palcos para actuar num número muito reduzido de Festivais, de forma meticulosa escolheram
os melhores do mundo para espalhar a magia… o Sudoeste tmn orgulha-se de anunciar a presença dos Daft Punk no maior Festival de Verão em Portugal. A estreia da banda em Portugal ocorre dia 5 de Agosto no Palco tmn, mais uma razão de peso para se assistir à romaria em direcção
à Zambujeira de todos os festivaleiros do país.

10º Aniversário do maior festival de Verão em Portugal!

3, 4, 5 e 6 de Agosto na Zambujeira do Mar

DAFT PUNK

www.daftpunk.com

Após 8 anos de interregno, os Daft Punk decidiram regressar aos palcos!
Seleccionaram os melhores Festivais do Mundo e o 10º Sudoeste tmn foi um deles! Dia 5 de Agosto, no Palco tmn do maior Festival de Verão em Portugal, Daft Punk.

Já confirmados:

Palco tmn

3 de Agosto | Gentleman |Mattafix | Brazilian Girls

4 de Agosto | Prodigy | Goldfrapp | TIGA

5 de Agosto | Daft Punk | Skin | Boss AC

6 de Agosto | Zero 7 | Xutos & Pontapés

Palco Planeta Sudoeste

3 de Agosto | Seu Jorge

4 de Agosto | Nouvelle Vague

5 de Agosto | Los de Abajo | Who Made Who

6 de Agosto | Final Fantasy | José Gonzales | Rui Vargas

Palco Positive Vibes

4 de Agosto | Max Romeo

5 de Agosto | Sir Giant

6 de Agosto | Anthony B | Israel Vibration

Artistas

Gentleman | O músico alemão, actualmente um dos mais populares na cena reggae, centrou todas as atenções em si ao lançar singles como “Intoxication” e “Superior”, êxitos imediatos um pouco por todo o mundo. Apesar de já andar no mundo musical há uns anos, só agora alcançou o reconhecimento merecido, em grande parte graças ao último álbum “Confidence”, uma compilação de vibrações positivas.

Mattafix | Os Mattafix vêm a Portugal apresentar o disco de estreia, intitulado «Signs of Struggle», editado este ano, onde se inclui o grande êxito “Big City Life”. Com diferentes backgrounds, cada um dos membros bebeu os distintos e variados sons que se praticavam na grande
cidade: blues, jass, bangra, punk, reggae, hip-hop, pop, heavy metal, dance e música clássica. O resultado é uma mistura de sons inovadora, com letras fortes e honestas, que permitem aos ouvintes interpretações próprias.

Brazilian Girls | Quarteto nova-iorquino, que combina música electrónica com samba, reggae, jazz e house. Ao contrário do que o nome indica, nenhum dos membros é natural do Brasil, e há apenas um membro feminino
– a vocalista Sabina Sciubba. O álbum de estreia, “Brazilian
Girls”, lançado em 2005, foi alvo de críticas efusivas e os fortes espectáculos ao vivo ajudaram a reunir um grande número de fãs. O single “Pussy”, que tem rodado nas rádios de todo o mundo, promete por o Sudoeste a dançar.

Prodigy | O ano de 1991 marca o lançamento do EP “What Evil Lurks”, dando a conhecer os Prodigy no meio underground. A sua música era então presença certa nas raves e depressa começou a penetrar noutros meios,
atingindo finalmente o Top Ten britânico, com o single “Charly”. Mas foi com o álbum “Music For A Jilted Generation” que exportaram o seu som e sucesso ao resto da Europa. Detentores de uma atitude polémica,
alicerçada na força da música e no impacto dos vídeos, os Prodigy não deixam pedra sobre pedra após cada actuação ao vivo.

Goldfrapp | Goldfrapp é o nome de um projecto de pop sofisticado, formado por Alison Goldfrapp e Will Gregory. À sensual voz, e presença, da cantora britânica alia-se o talento musical de Will Gregory, numa conjugação que resulta num som vanguardista, que vai contra as sonoridades na moda, vincando a particularidade do som sem fronteiras da banda. Um dos mais talentosos duos da actualidade, que fazem dos concertos ao vivo verdadeiros espectáculos.

TIGA | Nascido em Montreal, o DJ e produtor TIGA foi responsável pelas novidades introduzidas na vida nocturna da cidade. Apresentou outros DJ’s convidados, iniciou promoções de rua intensas, com acrobatas e flyers coloridos, que envolviam as multidões. Para além disso, foi o pai de Solstice, a primeira rave genuína, tendo iniciado um ano mais tarde uma rave online. Actualmente é o responsável pelo grande êxito, “Far From Home” que será certamente um dos pontos altos do Festival Sudoeste
tmn

Daft Punk | Os Daft Punk são uma banda única no panorama musical e, após 8 anos de interregno, decidiram regressar aos palcos para actuar num número muito reduzido de Festivais, de forma meticulosa escolheram
os melhores do mundo para espalhar a magia… o Sudoeste tmn orgulha-se de anunciar a presença dos Daft Punk no maior Festival de Verão em Portugal. A estreia da banda em Portugal ocorre dia 5 de Agosto no Palco tmn, mais uma razão de peso para se assistir à romaria em direcção
à Zambujeira de todos os festivaleiros do país.

Skin | Skin, a vocalista, foi desde que conhecemos Skunk Anansie o núcleo emocional, o ícone pujante que gritou ao mundo o nome da banda sem falhar uma nota! Após a dissolução, Skin, que se manteve afastada do universo
musical por uns tempos, voltou a emergir em 2003 com Fleshwounds, um álbum que lhe descobriu o lado mais introspectivo e emocional. Este ano, e mantendo-se fiel à máxima “mais vale só…”, Skin vem confirmar o talento individual como compositora e intérprete com “Fake Chemical State” e podemos considerar-nos felizardos por já não termos de esperar muito para ouvi-la ao vivo!

Boss AC | A viver aquele que é o maior momento da sua carreira, Boss AC marca presença no Maior Festival de Verão em Portugal. O single “Princesa”, retirado do terceiro álbum de originais “Ritmo, Amor e Palavras” ajudou o disco a atingir vendas superiores a 20 mil unidades e a dar ao músico um sucesso que os espectáculos ao vivo têm vindo a confirmar.

Zero 7 | Quando Henry Binns e Sam Hardaker se juntaram estavam longe de imagina até que ponto poderiam chegar os Zero 7. O salto para a ribalta deu-se em 2001 com “Simple Things”, considerado, por muitos, como um dos
álbuns do ano, e que os coloca entre as mais interessantes propostas da música electrónica da actualidade. O último álbum da banda, “The Garden”, foi editado este mês em Portugal e serve de “pretexto” à passagem do grupo pelo palco do Sudoeste tmn.

Xutos & Pontapés | Os Xutos e Pontapés representam, na cena musical portuguesa, um fenómeno ímpar de resistência. A banda soube renovar-se ao longo dos anos, mantendo a mesma atitude combativa e entusiasta do
primeiro dia, tendo alargado substancialmente o número de fãs. Cruzaram gerações, conquistando, com a sua música, pais e filhos que acorrem em família aos seus concertos que são, sempre, um acontecimento. Canções
como “Homem do Leme”, “Chuva Dissolvente”, “Maria” ou
“Casinha” são a banda sonora de muitas gerações.

Seu Jorge | O músico e actor brasileiro Seu Jorge é um caso único de sucesso em várias artes. Depois de um promissor início de carreira como actor, no aclamado “Cidade de Deus” de Fernando Meireles, foi
contratado para aparecer no filme “Peixe Fora de Água” de Wes Anderson. Durante as filmagens Seu Jorge “matava o tempo” de viola em punho a interpretar temas de David Bowie em português. Esta segunda
ocupação acabou por se tornar a principal e a personagem de Seu Jorge no referido filme mais não faz do que aparecer a interpretar de forma sublime os grandes clássicos de Bowie. O sucesso foi imediato e o talento
de Seu Jorge prontamente reconhecido.

Nouvelle Vague | Interpretações suaves e intimistas de grandes clássicos do rock, e não só, é a proposta dos Nouvelle Vague. Depois de um primeiro álbum onde (re)interpretavam bandas como os The Cure, Depeche Mode ou Dead Kennedys, entre outros, os Nouvelle Vague vão editar
novo álbum este ano, seguindo o mesmo conceito. “Bande A Part” deverá integrar temas de bandas como U2, Blondie ou New Order. Formas novas de interpretar clássicos de sempre, que em concerto atingem
proporções sublimes.

Los de Abajo |Oriundos do México, os Los de Abajo praticam uma sonoridade que de tão difícil descrição ganhou um nome próprio, TropiPunk. O sucesso à escala mundial surgiu quando venceram, em 1993, um troféu BBC
para Melhor Artista de World Music,na categoria “Américas”. Os espectáculos ao vivo pautam-se por uma festa contagiante a que ninguém fica indiferente.

Who Made Who | O nome vem de um disco dos AC/DC (que é uma banda sonora de um filme de Stephen King) e isso já diz alguma coisa do humor deste trio dinamarquês. Os Who Made Who são uma mistura explosiva de pop
electrónica, punk-funk e várias outras coisas, entre as quais um groove infalível. O álbum de estreia, lançado pela Gomma, ainda agora começa a revelar-se, mas os relatos dos espectáculos ao vivo dos Who Made Who
são mais do que suficientes para fazermos questão de ter estes noruegueses connosco.

Final Fantasy | Conhecido por ser um dos grandes impulsionadores da cena de Toronto, de onde saíram bandas como os Arcade Fire, com quem colabora regularmente em estúdio e em palco, Owen Pallett é Final Fantasy. Os esplêndidos arranjos de cordas dos álbuns de Arcade Fire são da inteira responsabilidade de Owen, que ficou conhecido por deslumbrar plateias com concertos em que sozinho emula uma orquestra, fazendo uso de apenas um violino. O álbum “He Poos Clouds”, recentemente editado, é já considerado pela crítica com um dos melhores álbuns do ano.

José Gonzales | Com 27 anos, José Gonzales é uma das revelações da música escandinava e, contrastando com o rock exportado pela Suécia, apresenta um som mais acústico e intimista. Centrando-se apenas na guitarra clássica e na voz, traz-nos letras emotivas e provocadoras, numa mistura por vezes familiar, assemelhando-se a Tim Buckley, e por vezes exótica, com rasgos de flamengo, tango e sons brasileiros.

Rui Vargas | A carreira de Rui Vargas iniciou-se em 1988, e desde aí só tem conhecido um sentido – o ascendente – quer na crescente popularidade que foi conquistando, e que se traduz hoje num claro estatuto de culto, quer na evidente maturidade que o seu trabalho evidencia, fruto
de uma constante procura de inovar, sem estar preso a dogmas e preconceitos, tendo apenas a qualidade como critério decisivo para os territórios que explora com uma coerência exemplar. “Patrocinador Oficial” das alvoradas do Festival, Rui Vargas regressa para aquecer mais uma noite de festa no Maior Festival de Verão em Portugal.

Max Romeo | O jamaicano Max Romeo foi o primeiro a introduzir o “rude reggae” na Grã-Bretanha e, apesar do seu single “A Wet Dream” ter sido banido das rádios, atingiu o top 10 inglês, em 1969. Este novo sub-género do reggae, associado a letras bastante sugestivas, contribuiu
para a entrada directa dos seus singles nos tops britânicos. É de salientar também as fortes referências políticas nos seus temas, especialmente no que toca a vida e quotidiano jamaicanos. O artista, com consciência social, retornou à sua terra natal em 1990 onde continuou a gravar e actuar.

Sir Giant | Uma das maiores promessas do reggae/ska nacional, Sir Giant, apresenta-se dia 5 de Agosto no Palco Positive Vibes. Com uma carreira que vem sendo alicerçada nos espectáculos ao vivo, Sir Giant já conta com
um EP em carteira, intitulado “E.P. 05” foi alvo de calorosa
recepção por parte do público e da crítica. No palco do Sudoeste tmn, a possibilidade de comprovar um dos maiores talentos do reggae/ska português.

Anthony B | O primeiro contacto de Anthony B com a música foi através da Igreja e coro escolar. Foi em 1993 que gravou o primeiro single “The Living Is Hard”, mas só em 1996 alcançou o sucesso com o álbum de estreia “Real Revolutionary”. Em 1997 repetiu o feito com o segundo
álbum “Universal Struggle”, considerado um dos mais importantes albums de reggae de finais dos anos 90.

Israel Vibration | Os três membros deste grupo jamaicano, conheceram-se num centro de reabilitação, quando recuperavam de poliomielite. Após infâncias e adolescências conturbadas, os três amigos decidiram
dedicar-se à música e desde logo o seu talento foi aplaudido. Apresentam um som mágico que mistura as raízes tradicionais do reggae, com letras profundas, temas culturais e sociais, e uma forte mensagem espiritual.

BILHETES JÁ À VENDA!

PASSE 4 DIAS (COM CAMPISMO) * 70,00 €

BILHETE 1 DIA (SEM CAMPISMO) * 40,00 €

Locais de Venda: Multibanco, Fnac, Balcões dos CTT, Agências ABEP e Alvalade, Postos de Turismo de Odemira, Vila Nova de Milfontes, Zambujeira do Mar e Sines, e Ticketline (Reservas: +351 707234234 e
www.ticketline.sapo.pt).

Em Espanha: BreakPoint (Reservas: +34 986205588 e
www.breakpoint.es) e

Ticktackticket (Reservas: +34 902150025
www.ticktackticket.com)

Autor: inside

Skin | Skin, a vocalista, foi desde que conhecemos Skunk Anansie o núcleo emocional, o ícone pujante que gritou ao mundo o nome da banda sem falhar uma nota! Após a dissolução, Skin, que se manteve afastada do universo
musical por uns tempos, voltou a emergir em 2003 com Fleshwounds, um álbum que lhe descobriu o lado mais introspectivo e emocional. Este ano, e mantendo-se fiel à máxima “mais vale só…”, Skin vem confirmar o talento individual como compositora e intérprete com “Fake Chemical State” e podemos considerar-nos felizardos por já não termos de esperar muito para ouvi-la ao vivo!

Boss AC | A viver aquele que é o maior momento da sua carreira, Boss AC marca presença no Maior Festival de Verão em Portugal. O single “Princesa”, retirado do terceiro álbum de originais “Ritmo, Amor e Palavras” ajudou o disco a atingir vendas superiores a 20 mil unidades e a dar ao músico um sucesso que os espectáculos ao vivo têm vindo a confirmar.

Zero 7 | Quando Henry Binns e Sam Hardaker se juntaram estavam longe de imagina até que ponto poderiam chegar os Zero 7. O salto para a ribalta deu-se em 2001 com “Simple Things”, considerado, por muitos, como um dos
álbuns do ano, e que os coloca entre as mais interessantes propostas da música electrónica da actualidade. O último álbum da banda, “The Garden”, foi editado este mês em Portugal e serve de “pretexto” à passagem do grupo pelo palco do Sudoeste tmn.

Xutos & Pontapés | Os Xutos e Pontapés representam, na cena musical portuguesa, um fenómeno ímpar de resistência. A banda soube renovar-se ao longo dos anos, mantendo a mesma atitude combativa e entusiasta do
primeiro dia, tendo alargado substancialmente o número de fãs. Cruzaram gerações, conquistando, com a sua música, pais e filhos que acorrem em família aos seus concertos que são, sempre, um acontecimento. Canções
como “Homem do Leme”, “Chuva Dissolvente”, “Maria” ou
“Casinha” são a banda sonora de muitas gerações.

Seu Jorge | O músico e actor brasileiro Seu Jorge é um caso único de sucesso em várias artes. Depois de um promissor início de carreira como actor, no aclamado “Cidade de Deus” de Fernando Meireles, foi
contratado para aparecer no filme “Peixe Fora de Água” de Wes Anderson. Durante as filmagens Seu Jorge “matava o tempo” de viola em punho a interpretar temas de David Bowie em português. Esta segunda
ocupação acabou por se tornar a principal e a personagem de Seu Jorge no referido filme mais não faz do que aparecer a interpretar de forma sublime os grandes clássicos de Bowie. O sucesso foi imediato e o talento
de Seu Jorge prontamente reconhecido.

Nouvelle Vague | Interpretações suaves e intimistas de grandes clássicos do rock, e não só, é a proposta dos Nouvelle Vague. Depois de um primeiro álbum onde (re)interpretavam bandas como os The Cure, Depeche Mode ou Dead Kennedys, entre outros, os Nouvelle Vague vão editar
novo álbum este ano, seguindo o mesmo conceito. “Bande A Part” deverá integrar temas de bandas como U2, Blondie ou New Order. Formas novas de interpretar clássicos de sempre, que em concerto atingem
proporções sublimes.

Los de Abajo |Oriundos do México, os Los de Abajo praticam uma sonoridade que de tão difícil descrição ganhou um nome próprio, TropiPunk. O sucesso à escala mundial surgiu quando venceram, em 1993, um troféu BBC
para Melhor Artista de World Music,na categoria “Américas”. Os espectáculos ao vivo pautam-se por uma festa contagiante a que ninguém fica indiferente.

Who Made Who | O nome vem de um disco dos AC/DC (que é uma banda sonora de um filme de Stephen King) e isso já diz alguma coisa do humor deste trio dinamarquês. Os Who Made Who são uma mistura explosiva de pop
electrónica, punk-funk e várias outras coisas, entre as quais um groove infalível. O álbum de estreia, lançado pela Gomma, ainda agora começa a revelar-se, mas os relatos dos espectáculos ao vivo dos Who Made Who
são mais do que suficientes para fazermos questão de ter estes noruegueses connosco.

Final Fantasy | Conhecido por ser um dos grandes impulsionadores da cena de Toronto, de onde saíram bandas como os Arcade Fire, com quem colabora regularmente em estúdio e em palco, Owen Pallett é Final Fantasy. Os esplêndidos arranjos de cordas dos álbuns de Arcade Fire são da inteira responsabilidade de Owen, que ficou conhecido por deslumbrar plateias com concertos em que sozinho emula uma orquestra, fazendo uso de apenas um violino. O álbum “He Poos Clouds”, recentemente editado, é já considerado pela crítica com um dos melhores álbuns do ano.

José Gonzales | Com 27 anos, José Gonzales é uma das revelações da música escandinava e, contrastando com o rock exportado pela Suécia, apresenta um som mais acústico e intimista. Centrando-se apenas na guitarra clássica e na voz, traz-nos letras emotivas e provocadoras, numa mistura por vezes familiar, assemelhando-se a Tim Buckley, e por vezes exótica, com rasgos de flamengo, tango e sons brasileiros.

Rui Vargas | A carreira de Rui Vargas iniciou-se em 1988, e desde aí só tem conhecido um sentido – o ascendente – quer na crescente popularidade que foi conquistando, e que se traduz hoje num claro estatuto de culto, quer na evidente maturidade que o seu trabalho evidencia, fruto
de uma constante procura de inovar, sem estar preso a dogmas e preconceitos, tendo apenas a qualidade como critério decisivo para os territórios que explora com uma coerência exemplar. “Patrocinador Oficial” das alvoradas do Festival, Rui Vargas regressa para aquecer mais uma noite de festa no Maior Festival de Verão em Portugal.

Max Romeo | O jamaicano Max Romeo foi o primeiro a introduzir o “rude reggae” na Grã-Bretanha e, apesar do seu single “A Wet Dream” ter sido banido das rádios, atingiu o top 10 inglês, em 1969. Este novo sub-género do reggae, associado a letras bastante sugestivas, contribuiu
para a entrada directa dos seus singles nos tops britânicos. É de salientar também as fortes referências políticas nos seus temas, especialmente no que toca a vida e quotidiano jamaicanos. O artista, com consciência social, retornou à sua terra natal em 1990 onde continuou a gravar e actuar.

Sir Giant | Uma das maiores promessas do reggae/ska nacional, Sir Giant, apresenta-se dia 5 de Agosto no Palco Positive Vibes. Com uma carreira que vem sendo alicerçada nos espectáculos ao vivo, Sir Giant já conta com
um EP em carteira, intitulado “E.P. 05” foi alvo de calorosa
recepção por parte do público e da crítica. No palco do Sudoeste tmn, a possibilidade de comprovar um dos maiores talentos do reggae/ska português.

Anthony B | O primeiro contacto de Anthony B com a música foi através da Igreja e coro escolar. Foi em 1993 que gravou o primeiro single “The Living Is Hard”, mas só em 1996 alcançou o sucesso com o álbum de estreia “Real Revolutionary”. Em 1997 repetiu o feito com o segundo
álbum “Universal Struggle”, considerado um dos mais importantes albums de reggae de finais dos anos 90.

Israel Vibration | Os três membros deste grupo jamaicano, conheceram-se num centro de reabilitação, quando recuperavam de poliomielite. Após infâncias e adolescências conturbadas, os três amigos decidiram
dedicar-se à música e desde logo o seu talento foi aplaudido. Apresentam um som mágico que mistura as raízes tradicionais do reggae, com letras profundas, temas culturais e sociais, e uma forte mensagem espiritual.

BILHETES JÁ À VENDA!

PASSE 4 DIAS (COM CAMPISMO) * 70,00 €

BILHETE 1 DIA (SEM CAMPISMO) * 40,00 €

Locais de Venda: Multibanco, Fnac, Balcões dos CTT, Agências ABEP e Alvalade, Postos de Turismo de Odemira, Vila Nova de Milfontes, Zambujeira do Mar e Sines, e Ticketline (Reservas: +351 707234234 e
www.ticketline.sapo.pt).

Em Espanha: BreakPoint (Reservas: +34 986205588 e
www.breakpoint.es) e

Ticktackticket (Reservas: +34 902150025
www.ticktackticket.com)

Autor: inside

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *