Novas confirmações no 26º SUPER BOCK SUPER ROCK | 14, 15 e 16 julho 2022

26º SUPER BOCK SUPER ROCK

Em 2022, o Meco espera por nós!

Novas confirmações:

LEON BRIDGES 
FLUME 
JUNGLE DJ SET 
DAVID & MIGUEL 
WORKING MEN’S CLUB 
LOS BITCHOS 
BABA ALI

Bilhetes à venda em meoblueticket.pt e nos locais habituais.

14, 15 e 16 de julho de 2022
Herdade do Cabeço da Flauta, Meco – Sesimbra

Nos dias 14, 15 e 16 de julho de 2022, a paisagem da Herdade do Cabeço da Flauta, junto à praia do Meco em Sesimbra, volta a ser o cenário ideal para o festival com a música mais autêntica. Depois de uma série de nomes já confirmados, a expectativa aumenta ainda mais quando se acrescentam nomes a um cartaz que promete 3 dias de música para sempre: Leon Bridges (dia 14, Palco Super Bock), Flume (dia 14, Palco Super Bock), Jungle DJ Set (dia 14, Palco Somersby), David & Miguel (dia 14, Palco Somersby), Working Men’s Club (dia 14, Palco EDP), Los Bitchos (dia 14, Palco EDP) e Baba Ali (dia 15, Palco EDP) entram assim na lista dos bons motivos para regressar finalmente ao Meco, para a 26ª edição do Super Bock Super Rock.

 

LEON BRIDGES

Leon Bridges é um dos nomes mais fortes da nova música soul. Desde a sua estreia em disco com “Coming Home”, editado em 2015, o músico norte-americano não tem parado de evoluir, surpreendendo-nos a cada novo lançamento. Várias coisas permanecem, no entanto: a voz suave e cheia de charme, a coragem de cantar o que traz dentro do peito, o espírito altamente colaborativo que já o fez dividir o estúdio com nomes como Diplo, Lucky Daye, Kacey Musgraves, Noah Cyrus, John Mayer, Shawn Mendes, Anderson .Paak, Terrace Martin, The Avalanches, entre muitos outros. Depois da estreia altamente promissora com “Coming Home”, edita o seu segundo disco, “Good Thing”, em 2018. Mais uma vez aparece em grande forma, dando a conhecer ao mundo temas tão fortes como “Bet Ain’t Worth the Hand”, “Bad Bad News” e “Beyond”. No último trabalho, “Gold-Diggers Sound”, editado em julho de 2021, o público é convidado a entrar num lugar onde R&B, jazz, soul, afrobeat, entre outras influências, parecem conviver amigavelmente, num registo pessoal em que a voz de Leon é a protagonista. A proposta do músico norte-americano parte de uma vasta tradição soul e R&B, sem nunca deixar de olhar o futuro. Temas como “Sweeter” e “Motorbike” são esperados pelo público português na próxima edição do Super Bock Super Rock – dia 14 de julho, no Palco Super Bock.

 

FLUME

 

 

Flume é o pseudónimo do músico e produtor Harley Edward Streten. Este australiano começou a produzir a sua própria música no início da adolescência. Com o tempo as coisas foram ficando cada vez mais sérias para Harley, até que assina contrato com uma editora e edita o primeiro EP. Nesse registo de 2011, podemos encontrar “Sleepless”, um dos primeiros temas a merecer a atenção do público. E não demorou muito até que editasse o primeiro disco de longa duração, um homónimo que contou com a participação de nomes como Chet Faker, Jezzabell Doran e Moon Holiday. Nos meses seguintes edita o EP “Lockjaw”, a meias com o músico Chet Faker, e faz uma tour com os Disclosure. Por esta altura o público e a crítica estavam já rendidos ao talento deste australiano, que coleciona prémios e nomeações no universo da música de dança. Esse sucesso confirma-se com “Skin”, o seu segundo disco, premiado com um Grammy. Este registo contou com a participação de AlunaGeorge, Little Dragon, Vic Mensa, Beck, entre outros. O single “Never Be Like You”, com Kai, foi um sucesso em todo o mundo, e o mesmo se pode dizer de “Say It”, com a participação de Tove Lo. Depois deste sucesso, o músico voltou com uma mixtape surpresa, “Hi This Is Flume”, editada em 2019. Flume oferece-nos uma música de dança atmosférica à qual é difícil ficar indiferente, assumindo-se como um dos grandes nomes da música eletrónica feita nos dias de hoje. O músico vem a Portugal, ao Super Bock Super Rock, onde atua no dia 14 de julho, no Palco Super Bock.

 

JUNGLE DJ SET

 

Os Jungle resultaram do encontro entre dois amigos de infância, Tom McFarland e Josh Lloyd-Watson. Os dois moravam perto um do outro desde os nove anos de idade, em Shepherds Bush, Londres, e cedo começaram a partilhar a mesma paixão pela música. Em 2013 essa partilha começou a tornar-se uma coisa mais séria com a criação do projeto Jungle – a partir desse momento a música passou a ser o mais importante para ambos, e McFarland e Lloyd-Watson passaram a ser conhecidos apenas como J e T. Nos concertos ao vivo os Jungle passaram a ser sete, contribuindo assim para que cada apresentação se tornasse um momento único, muito difícil de esquecer. O sucesso em estúdio, depois da edição de dois discos incríveis, não impediu que eles devolvessem a sua apresentação enquanto DJ Set, mostrando um autêntico caleidoscópio de influências eletrónicas, enquanto sentem como ninguém a pulsação de cada pista de dança, em qualquer lugar do mundo. Na linha da frente da melhor música de dança destes últimos anos, juntamente com nomes como Leon Vynehall, Bem UFO, Midland, Hot Chip, Young Marco, entre outros, os Jungle continuam a fazer magia por onde quer que passem – e vão regressar ao Super Bock Super Rock, dia 14 de julho, no Palco Somersby.

 

DAVID & MIGUEL

 

O encontro entre dois dos principais talentos da nova música portuguesa só poderia resultar num projeto tão entusiasmante como este. Segundo os próprios, a dupla David & Miguel (David Bruno e Mike El Nite) está para a música como o queijo e a marmelada estão para a culinária: uma delícia pouco ortodoxa. Após o sucesso do tema “Interveniente Acidental”, os dois artistas voltaram a juntar esforços em “Palavras Cruzadas”, um disco de temas românticos, com muitas histórias de desencontros, amores, desamores, sofrimento e paixão à portuguesa… Este registo, totalmente produzido por David Bruno, conta com as vozes de Mike El Nite e do próprio David Bruno, com as guitarras do habitual Marco Duarte. “Palavras Cruzadas” é um dos melhores discos nacionais deste ano de 2021, graças a canções como “Inatel”. Depois do êxito da sua passagem pelo Super Bock em Stock de 2021, o público vai poder vê-los, ou revê-los, no regresso do Super Bock Super Rock, dia 14 de julho, no Palco Somersby.

 

WORKING MEN’S CLUB

 

Não é todos os dias que encontramos uma banda tão estimulante como os Working Men’s Club. Tudo começou em meados de 2018, quando três jovens decidiram começar a tocar juntos em West Yorkshire, ainda na adolescência. Os concertos eletrizantes, aliados ao carisma de Sydney Minsky-Sargeant, o vocalista e guitarrista do grupo, construíram uma certa reputação no meio em que se moviam. Depois de lançarem “Bad Blood”, um single fortemente influenciado pela estética pós-punk, Minsky-Sargeant decidiu dar uma guinada no som da banda, dando espaço à eletrónica. Esta mudança estética viria também a resultar numa mudança na formação da banda. Depois de todas estas coisas estarem redefinidas, os Working Men’s Club partiam para a gravação do disco de estreia, um registo homónimo editado em 2020. A banda inglesa parecia agora conseguir unir a urgência punk com o seu amor pela música de dança. O single “Teeth”, com a sua toada industrial, prova que essa mudança foi bem conseguida, fazendo crescer as expectativas para as restantes canções do disco. Neste registo de estreia da banda há violência
e desespero, mas também há esperança, numa atmosfera perfeitamente adequada aos tempos em que vivemos. A energia bruta destes ingleses chega a Portugal no dia 14 de julho de 2022, no Palco EDP em mais uma edição do Super Bock Super Rock.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

LinkedIn
Share
YouTube
Instagram
RSS
EMAIL