PEDRO GOULÃO É O VENCEDOR DA 2ª EDIÇÃO DO PRÉMIO MIGUEL ROVISCO

A 2ª Edição do Prémio Miguel Rovisco – Novos Textos Teatrais, prémio anualmente promovido pelo Teatro da Trindade INATEL, foi atribuído, por unanimidade, a Pedro Goulão, pelo seu texto “Hora de Visita”.
O Júri, constituído pelos atores e encenadores Diogo Infante, Sandra Faleiro e João Reis, entendeu que o texto revela uma estrutura narrativa sólida, personagens bem desenhadas e um conflito actual e consequente, onde a amargura e o sarcasmo pontuam a relação entre um pai e uma filha.
Uma comédia dramática que explora a complexidade das relações familiares, colocando as personagens numa situação limite, onde lhes é dada a oportunidade de se reencontrarem e se redimirem. Os seus segredos e mágoas são fantasmas que deixaram marcas e que moldaram as escolhas que fizeram durante a vida.

A inteligência das personagens, a tensão permanente, a consistência e o ritmo dos diálogos que nos mantêm presos, aliados à perfeita ​adequação ao espaço a que se destina, Sala Estúdio, são as principais razões para premiar este texto e desejar vê-lo posto em cena.

Pedro Goulão é argumentista. Escreveu documentários televisivos, textos para teatro, curtas-metragens e sketches para César Mourão, Jorge Mourato, Óscar Branco, entre outros. Em 2018, publicou o seu primeiro livro, A Palmeira, sob a chancela da Guerra e Paz.

O autor de “Hora de Visita” receberá o valor monetário de 2500 euros, verá o seu texto editado e levado a cena na Temporada Teatral 2020/21, do Teatro da Trindade INATEL.

Fica disponível, também a partir de hoje, o regulamento para a 3ª Edição do Prémio Miguel Rovisco – Novos Textos Teatrais. O prazo de entrega dos textos decorre entre 1 de dezembro de 2020 e 31 de janeiro de 2021.

Biografia Pedro Goulão Nasceu a 30 de junho de 1971, em Lisboa. Estudou direito na UCP, mas uma bolsa de criação literária do Ministério da Cultura, no início do século XXI, encaminhou-o numa direção completamente diferente. Em finais de 2018, publicou o seu primeiro livro, A Palmeira, sob a chancela da Guerra e Paz e está a preparar um novo, uma edição infantojuvenil sobre golfinhos, ilustrada por Tiago Galo. Foi coautor de dois documentários, sobre Malangatana e a Minas de S. Domingos, respetivamente, escreveu várias curtas-metragens, entre elas Teddy & Amélia e Fui eu que ganhei não foi ele que perdeu. Trabalhou vários anos como guionista e coordenador de guionistas de humor na empresa Comunicasom, tendo trabalhado com atores como César Mourão, Jorge Mourato, Óscar Branco, Ricardo Peres, Carlos M.Cunha, Carlos Cunha e muitos outros. Foi também o guionista de sketches dos Programas Gosto Disto, onde cocriou, com César Mourão, inúmeras personagens, e dos offs do Não há crise, também na SIC. Escreveu sketches para os Globos de Ouro e para galas de Aniversário da mesma estação. Criou também, com César Mourão, o talk-show Para algo completamente indiferente, na SIC Radical, canal para o qual, com a U-First, criou ainda a série A vida também é isto, uma biografia ficcionada de João Campos. Na RTP, escreveu, com Tiago R. Santos, Luís Filipe Borges, Nuno Duarte e Filipe Homem Fonseca, que a criou, a série Aqui Tão Longe, produzida pela SP Televisão. Em teatro, escreveu textos para o espetáculo Diz, de Ana Brandão e Carlos Bica e Azul, um monólogo “Anão”, para David Almeida e várias peças de Teatro, entre elas, Morte, uma Peça, Tens a certeza que isto é uma comédia e Hora de visita. Colaborou como criativo em várias agências e produtoras, de que destaca a H2N. Encontra-se neste momento a preparar diversos projetos televisivos.

REGULAMENTO
PRÉMIO MIGUEL ROVISCO – Novos Textos Teatrais
Edição 2020/2021
O Teatro da Trindade INATEL pretende, com o PRÉMIO MIGUEL ROVISCO – Novos Textos Teatrais, estimular novos autores para a escrita de textos originais em língua portuguesa promovendo e divulgando novos valores literários na área do Teatro.

O presente prémio rege-se pelo seguinte regulamento:

1. O PRÉMIO MIGUEL ROVISCO – Novos Textos Teatrais realiza-se na presente edição com a atribuição de um único prémio, no valor de monetário de 2.500.00€
1.1. Não serão atribuídos prémios ex aequo.
1.2. O Júri pode não atribuir o prémio, se assim o entender.
1.3. O prémio inclui os direitos da edição em livro, assim como, da apresentação do espetáculo no Teatro da Trindade INATEL.
2. As candidaturas apresentadas serão avaliadas por um Júri nomeado pela Direção do Teatro da Trindade INATEL e composto por três (3) membros.
2.1. Os critérios para atribuição do Prémio são da inteira responsabilidade do Júri, reservando-se a este, o direito de não o atribuir.
2.2. Das decisões do Júri não haverá recurso.
3. O Prémio, uma vez atribuído, será publicado no site do Teatro da Trindade INATEL, até o fim do mês de junho, e anunciado em Conferência de Imprensa, sempre que possível.
3.1. Apenas o premiado será notificado.
4. A obra premiada será publicada em 1a Edição pelo Teatro da Trindade INATEL bem como levada à cena na Sala Estúdio do Teatro da Trindade, em data a definir pela Direção do Teatro da Trindade INATEL.
5. Podem concorrer autores de qualquer nacionalidade, desde que os trabalhos sejam redigidos em língua portuguesa.
6. O prazo de entrega dos textos decorrerá entre o dia 1 dezembro 2020 e 31 janeiro 2021.

[2]

7. Os trabalhos apresentados terão de ser inéditos, podendo tratar-se de textos individuais ou em coautoria, não podendo, até à decisão do Júri do Concurso, ser levados ao conhecimento do público sob quaisquer formas (Encenação, Edição,etc.).
8. Os originais a concurso podem ser de qualquer género teatral e de tema livre e adequados à sua eventual apresentação na Sala Estúdio do Teatro da Trindade (Black Box, 48m2, 50 lugares).
9. Os textos a concurso deverão ser enviados num envelope fechado com a indicação no exterior do respetivo pseudónimo e nome da peça. No interior, num segundo envelope fechado, deverá constar a identificação do autor (nome, morada e contacto telefónico).
9.1. As obras deverão ser enviadas via CTT para o Teatro da Trindade, sito no Largo da Trindade no7 A, 1200-466 Lisboa, ou entregues p.m.p.
9.2. Cada pseudónimo deve corresponder a uma só obra. Várias obras de um mesmo autor devem corresponder a pseudónimos diferentes.
9.3. Cada autor deverá apresentar três (3) exemplares da obra, assinados com pseudónimo e datilografados com formatação específica: em formato A4, com tipo de letra Arial (12), espaçamento de 1,5 entre linhas, encadernação em argolas ou prensagem a quente e devidamente numerados.
10. Apenas o Teatro da Trindade terá acesso aos dados acima referidos.
11. Serão excluídas todas as candidaturas que não preencham os requisitos solicitados nos pontos anteriores, comprometendo-se os autores a concordar com as condições apresentadas neste regulamento.
12. Os originais não reclamados no prazo de 30 dias após a data da divulgação dos prémios serão inutilizados a fim de se preservar a característica da sua obra inédita.
13. Os casos omissos neste regulamento serão apreciados e decididos pelo Conselho de Administração da Fundação INATEL e da sua decisão não haverá recurso.

Contacto para esclarecimentos adicionais: teatro.trindade@inatel.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *