Prémios da Estoril Sol entregues a Maria Céu Guerra, Carlos Vale Ferraz e Judite Canha

Prémios Literários da Estoril Sol serão entregues no próximo dia 20 no Auditório do Casino Estoril.

Carlos Matos Gomes

Judite Canha Fernandes

Maria do Ceus Guerra

Em cerimónia solene, agendada para a próxima Quarta-Feira, 20 de Novembro, a partir das 18 horas, no Auditório do Casino Estoril, Guilherme d’Oliveira Martins, Presidente do Júri dos Prémios da Estoril Sol, entrega o Prémio Vasco Graça Moura – Cidadania Cultural a Maria do Céu Guerra, bem como os Prémios Literários Fernando Namora e Agustina Bessa-Luis, referentes a 2018, respectivamente, a Carlos Vale Ferraz e Judite Canha Fernandes.

Nesta quarta edição do Prémio Vasco Graça Moura – Cidadania Cultural, o Júri deliberou atribuir o galardão à actriz Maria do Céu Guerra. Lançado pela Estoril Sol, o Prémio, com periodicidade anual e no valor de 20 mil euros, constitui uma homenagem à memória de Vasco Graça Moura.

Da acta do Júri ressalta o singular percurso de Maria do Céu Guerra, “por se ter destacado, ao longo da vida, numa prática de cidadania cultural, enquanto actriz, que levou à cena e por diferentes modos divulgou os grandes textos da literatura portuguesa e, nessa intervenção, que manteve em ”A Barraca” como núcleo de irradiação cultural, formativo e vocacionado para a descoberta e criação de novos públicos”.

Em relação à 21ª edição do Prémio Literário Fernando Namora, promovido pela Estoril Sol, com o valor pecuniário de 15 mil euros, o Júri distinguiu, por unanimidade, Carlos Vale Ferraz pelo romance “A Última Viúva de África”.

Em acta, o Júri salientou na obra “ A Última Viúva de África” que “a memória da experiência colonial pode ser aterradora – Congo Belga e Angola constituem neste romance o eixo geopolítico de acções de guerra e desvarios humanos no qual uma mulher (Madame X) emerge, simultaneamente, como figura de ligação da estória do romance e da História dos anos sessenta no início da guerra nacionalista”.

Por sua vez, no que diz respeito à 11ª edição do Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís, com o valor de 10 mil euros, o Júri distinguiu, por unanimidade, Judite Canha Fernandes com o seu primeiro romance “Um Passo para Sul”.

Ao eleger “Um Passo para Sul”, o júri considerou tratar-se de “um romance fundado num triângulo geográfico e existencial, repartido por Cabo Verde, São Tomé e Açores. Os registos linguísticos e imaginativos do crioulo inscrevem-se criativamente na estrutura global da narrativa, contribuindo para a formatação de uma linguagem literária muito estimulante”.

O Júri dos Prémios da Estoril Sol, além de Guilherme d`Oliveira Martins, foi ainda constituído por José Manuel Mendes, pela Associação Portuguesa de Escritores, Manuel Frias Martins, pela Associação Portuguesa dos Críticos Literários, Maria Carlos Gil Loureiro, pela Direcção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas, Maria Alzira Seixo e Liberto Cruz, convidados a título individual e, ainda, Dinis de Abreu, pela Estoril Sol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *